Minha visão sobre o COVID

Esse texto pode ser a minha carta assinada de loucura total, é pesado, é um compilado do último ano.



Já a algum tempo estou juntando informações sobre o que está acontecendo nesta época, já tentei gravar alguns vídeos para falar sobre, achei que falando me expressaria melhor, mas alguma coisa sempre me barrava, eu acredito que o vídeo leva a informação a mais pessoas, mas como não foi possível, vai ser em forma de texto, será um texto longo, pesado e confuso talvez, não sei se alguém vai acompanhar a linha de raciocínio, mas preciso compartilhar o meu compilado sobre o COVID em um geral.


Antes de mais nada quero deixar claro que tudo que vou falar aqui não tem base científica. Não sou cientista, sou um simples estudante de ocultismo. Tudo que vou falar é baseado no que vi, vivi e aprendi observando, vivendo e sentindo na matéria e no espírito. Também não tenho o objetivo de convencer ninguém a nada, só quero compartilhar a minha visão para saber se faz sentido para mais alguém além de mim. ------ > Para começar quero falar sobre a passagem de era.


Nós estamos em 2021 na era de Peixes, em 2150 passaremos para a era de Aquário.


O que isso quer dizer?




Estamos na transição da era dos sentimentos para a era da sabedoria. Estamos transitando do contato físico, do sentir para o digital. Saber disso é importante para o que vou explicar a seguir. E isso é perceptível para qualquer um que analise o mínimo da história, desde o ano 1 com Jesus Cristo até a forma como o tempo tem passado.


Nessa fase existiam formas de vida e acessos a determinadas dimensões. Eu acredito que os povos que viviam aqui onde vivemos atualmente, nas americas, o novo mundo, nos anos anteriores a descoberta eles tinham uma percepção de mundo em duas dimensões, e não em 3 como estamos acostumados. Digo isso com base nas pirâmides encontradas no Brasil, na cultura Asteca e Maia que temos muito pouco acesso, mas a forma como as coisas eram feitas, aquele povo, só tinha acesso a duas dimensões. Comprimento e Largura, ainda não conseguiam ver a profundidade.


A 521 anos atrás o homem branco chega ao Brasil, trazendo com ele novas tecnologias, e junto com isso o que veio? doenças respiratórias. A gripe comum exterminou boa parte do povo que aqui vivia. Eles não sabiam que estavam trazendo a doença, eles vieram até com boa intenção, achando que levariam progresso ao povo, mas o ambiente teve que se adaptar para a forma que eles respiravam.


Os que aqui viviam sobreviveram graças as medicinas da floresta. Ayahuasca e o Kambô, isso aqui é uma história a parte que vou contar depois.


Assim surge o descobrimento de um novo mundo, uma nova dimensão. Quando um povo que tem acesso a uma dimensão diferente descobre um novo mundo, historicamente falando, junto vem com eles doenças respiratórias.


Agora que eu contextualizei a linha de pensamento, vou começar a falar o que eu acho que está rolando. E é nesse ponto que a minha sanidade cai em jogo, como falar tudo isso sem parecer que estou totalmente insano? Eu acredito que nós fomos descobertos agora por um povo que nos vê como a população que vivia aqui antes do descobrimento das américas. Essa população tem acesso a 4 dimensões. Comprimento, Largura, Profundidade e o Tempo.


Essa doença aparece porque esses seres dessa dimensão começaram a ter contato com a gente, e o ambiente precisa se adaptar para eles. Por isso, podemos perceber diversas mudanças físicas nas pessoas que tiveram o Covid. Recentemente apareceu o caso de um homem que se curou de um Linfoma terminal após contrair o Covid.


A nossa atmosfera está mudando para se adaptar a essa nova forma de vida com percepção em 4 dimensões, e não mais em duas.


Eu tive o Covid quando estava voltando ao Brasil em Março do ano passado, bem no comecinho da pandemia, e eu percebo hoje muitas mudanças no meu corpo. Não sei dizer exatamente o que, mas como eu tenho costume de meditação a muito tempo e eu sempre prestei muita atenção na minha respiração, eu vejo que agora tem algo diferente. Da mesma forma eu percebo que os portais que eu acessava antes são diferentes dos de agora.


Uma coisa que me ajudou muito a não ter medo da doença foi o cuidado ao pulmão, eu sopro meu Didgeridoo pelo menos 30 minutos por dia, todos os dias. Nesse meio tempo já estive em hospitais diversas vezes e em contato com pessoas contaminadas, e nunca tive nenhum sintoma, porque sempre estive cuidando do pulmão com o Didgeridoo.


Porém, eu percebo mudanças no meu corpo. Eu tenho costume de meditar pelo menos uma hora por dia todos os dias, é o momento onde eu viajo por dentro do meu templo e alinho meus pensamentos, e eu percebo que algo mudou.


Estou dedicando algumas horas do meu dia para treinar a visão através da glândula pineal, passo um tempo sem usar os olhos e isso está me dando uma nova forma de ver o mundo. Percebo que meus outros sentidos se aguçam no resto do dia.


Também consigo perceber o fluxo de ar de forma diferente no meu corpo. Parece que agora ele acessa mais áreas do que antes.


Mas, em resumo, porque estou escrevendo tudo isso? Para alertar aos que ainda não perceberam que estamos passando pelo Juízo Final.


Chegamos em um ponto onde o dinheiro não tem mais significado, pessoas estão morrendo de fome sem a ajuda do governo, enquanto alguns estão usando esse momento para acumular mais e mais.


Se você tiver de sobra um prato de comida, dõe. Não é hora de acumular.

Esse texto é um aviso aos ricos e poderosos, vocês estão tendo a chance de salvar as suas almas. Não é hora de acumular bens, é hora de salvar vidas.


Se você pode ajudar uma pessoa e não o fez simplesmente porque não tem nada a ver com isso, você não entendeu que todos nós somos parte de um único ser. Não entendeu que ajudando o outro, seja quem for, você está ajudando a você mesmo. A luz passa a ilusão da separação, mas não é real. Todos somos um.


Todos somos um.